O site "CAMINHOS E SONHOS" registra uma coletânea de conteúdos diversificados. O autor, "Rodolfo Antonio de Gaspari-Prof.Roangas" mostra dentro do espaço das letras muita sensibilidade poética de um grande sonhador.
Caminhos  E  Sonhos
Pincelamos as letras para que as palavras sejam transformadas na essência da sua criatividade...
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


               JORGE AMADO
                                       
   JORGE AMADO nasceu na fazenda Auricídia, em Ferradas, município de Itabuna. Filho do Coronel João Amado, foi para Ilhéus com apenas um ano e lá passou a infância e descobriu as letras. A adolescência ele viveria em Salvador, no contato com aquela vida popular que marcaria sua obra. Aos 14 anos, começou a participar da vida literária de Salvador, sendo um dos fundadores da Academia dos Rebeldes, grupo de jovens que (juntamente com os do Arco & Flecha e do Samba) desempenhou importante papel na renovação das letras baianas. Entre 1927 e 1929, foi repórter no “Diário da Bahia”, época em que também escreveu na revista literária “A Luva”. Estreou na literatura em 1930 com a publicação (por uma editora carioca) da novela “Lenita”, escrita em colaboração com Dias da Costa e Édison Carneiro. Seus primeiros romances foram “O país do Carnaval” (1931), “Cacau” (19330 e “Suor” (1934). JORGE AMADO bacharelou-se em ciências jurídicas e sociais na Faculdade de Direito no Rio de Janeiro (1935), mas nunca exercia a profissão de advogado. Em 1939, foi redator-chefe da revista “Dom Casmurro”. De 1935 a 1944, escreveu os romances “Jubiabá”, “Mar Morto”, “Capitães de Areia”, “Terras do Sem-Fim” e “São Jorge dos Ilhéus”. Em parte devido ao exílio no regime getulista, JORGE AMADO viajou pelo mundo e viveu na Argentina e no Uruguai (1941-2) e, depois, em Paris (1948-50) e em Praga (1951-2). Voltando para o Brasil durante o segundo conflito mundial, redigiu a seção “Hora da Guerra” no Jornal “O Imparcial” (1943-4). Mudando-se para São Paulo, dirigiu o diário Hoje (1945). Anos depois, no Rio, participaria da direção do semanário “Para Todos” (1958-8). Em 1945, foi eleito deputado federal por São Paulo, tendo participado da Assembléia Constituinte em 1946 (pelo Partido Comunista Brasileiro) e da primeira Câmera Federal posterior ao Estado Novo. Nessa condição, foi responsável por várias leis que beneficiaram a cultura. De 1946 a 1958, escreveria “Seara Vermelha”. “Os Subterrâneos da Liberdade” e “Gabriela Cravo e Canela”. Em abril de1961, foi eleito para a cadeira número 23 da Academia Brasileira de Letras (sucedendo a Otávio Mangabeira). Na década de 1960, lançou os romances “A Morte e a Morte de Quincas Berro D’Água”. “Os Velhos Marinheiros, ou o Capitão de Longo Curso”.  

                                        

 
                                          

Pesquisa Google
Prof.Roangas -Rodolfo Antonio de Gaspari-
Fotos: Google

roangas
Enviado por roangas em 24/06/2010
Alterado em 24/06/2010
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Seremos únicos em tudo que criamos... da criatividade vem a inspiração dos sonhos e até das próprias fantasias...



TEXTOS EM DESTAQUE:

Conto:

O Homem das Estrelas

Poesia:

Amizade

Crônica:

Quando se Perde a Energia

Mensagem:

Os Anjos

Carta:

O Belo Existente em Você

Poetrix:

Abraço